Veto a sacolinha eleva venda de saco de lixo

Cidades que proibiram ou firmaram acordos com o comércio para desestimular a distribuição de sacolas plásticas – comumente reutilizadas em lixeiras domésticas – registraram um aumento nas vendas de sacos de lixo.

Em Belo Horizonte, que aboliu as sacolas plásticas do comércio em abril deste ano, a venda de sacos de lixo cresceu 15% em média, conforme estimativa da Associação Mineira de Supermercados.

As vendas também cresceram em Jundiaí (a 58 km de São Paulo), que retirou as sacolas plásticas convencionais de circulação após um acordo entre Apas (Associação Paulista de Supermercados), comerciantes e prefeitura, em agosto do ano passado.

A associação estima que, por mês, 80 toneladas de sacolas plásticas convencionais deixaram de ser enviadas para aterros sanitários. Por outro lado, o consumo de sacos de lixo no município aumentou em 20 toneladas.

Os números causam impacto direto no bolso do consumidor. Nos supermercados, um pacote com 30 unidades de saco de lixo de 30 litros pode custar entre R$ 15 e R$ 25, a depender da marca.

Para carregar as compras, o consumidor deve usar sacolas biodegradáveis (R$ 0,19 a unidade) ou retornáveis (a partir de R$ 3).

Para o Movimento das Donas de Casa de Minas Gerais, o aumento dos custos alterou o hábito no descarte do lixo.

“Estão comprando mais saco de lixo, mas as pessoas também estão se preocupando mais com a preservação ambiental. Alguns, por exemplo, passaram a usar na lixeira sacos de fruta e até papel de jornal”, diz Lúcia Pacífico, presidente da entidade.

Impacto menor – Conforme a Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), os sacos plásticos representam 1,3% de tudo o que é descartado pelos brasileiros.

O impacto ambiental dos sacos de lixo é menor porque são produzidos principalmente com material reciclado, segundo especialistas. Já as sacolas plásticas são feitas com matéria primária porque vão armazenar alimentos.

O veto às sacolas plásticas, no entanto, desagrada ao setor da indústria da embalagem flexível, que gera 30 mil empregos diretos no país e fatura entre R$ 800 milhões e R$ 1 bilhão por ano.

A Abief (associação do setor) defende a implementação de campanhas de conscientização sobre o uso sustentável de sacolas plásticas em vez da proibição.

Entre 2007 e 2010, o consumo de sacolas no país caiu 22% – de 17,9 bilhões para 14 bilhões – após campanhas promovidas por supermercados, segundo a Abief. (Fonte: Matheus Magenta/ Folha.com)

Essas consequências, eu já havia previsto… Portanto, aguardem, outras virão. Fiquem alertas.

Sobre neveslaera

CURRICULUM VITAE 1. Titular – Neves Terriani Laera , Engenheiro Agrônomo – Fitotecnista, 7. Experiência Profissional – - De 1976 a 1979 – Pesquisa Científica em biologia dos solos – CNPq/EMBRAPA AGROBIOLOGIA - De 1979 a 1981 – Professor da UFRRJ-km 47 – Campo Experimental e de Produção - De 1981 a 1982 – Engenheiro Agrônomo da RURALTEC LTDA – Desenvolvimento de atividades relacionadas com a elaboração e implantação de projetos agropecuários de grande porte nos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais - De 1982 a 1996 – Assessor Técnico do Banco do Brasil. Acompanhamento técnico direto de projetos conduzidos sob financiamentos de grande, médio e pequeno portes em atividades do setor agropecuário, tais como cafeicultura, pecuária de corte e leite, fruticultura, olericultura, caprinocultura, ovinocultura, carcinocultura, apicultura, culturas de cereais, produção de mudas ornamentais, avicultura, eqüinocultura, piscicultura. Atuação nos Estados do Rio Grande do Norte (1982 ), Minas Gerais ( 1983 a 1986 ), São Paulo ( 1986 a 1988 ) e Rio de Janeiro ( 1988 a 1996 ) - De 1996 até atualmente – Fundador e sócio-diretor da Terriani Laera Consultoria Empresarial SS Ltda ( www.agroterriani.cjb.net ), empresa voltada para serviços de consultoria plena em projetos agropecuários, de reflorestamento, paisagismo, arborização urbana, produção de plantas ornamentais, aqüicultura, licenciamento ambiental e estudos de viabilidade técnica e econômica em empreendimentos afins 6. Cursos de Pós-graduação no Brasil – - Apicultura Integrada – IASC-1983 – 600 horas - Armazenamento de Grãos – UFV-1984 – 500 horas - Tecnologias de Sementes – UFRRS-1985 – 500 horas - Agricultura Tropical – UFRPe – 1986 – 500 horas - Irrigação e Drenagem – USP-1987 – 400 horas 7. Cursos de Pós-graduação no Exterior – - Tecnologias de Pesca e Comercialização Internacional de Pescados-1988 – Itália – Sete meses de duração 8. Idiomas – Inglês – Fluente Espanhol – Fluente Italiano – Fluente 9. Principais Características Profissionais – Visão ampla dos aspectos éticos, técnicos, econômicos e sociais em assuntos inerentes à profissão, aguçada capacidade de análise técnica apurada durante trinta e dois anos de exercício profissional no segmento agronômico, elevada capacidade gerencial e de comando, integridade, ética e alta disposição para o trabalho. 10. Assessoria Imobiliária – A partir de 1999, atuo também no segmento imobiliário, com o uso de atribuições inerentes ao título de Corretor de Imóveis, sendo que sou inscrito no CRECI-RJ. Nesse segmento, minha forma de atuar leva em consideração sobretudo a busca de soluções éticas, ambientalmente corretas, criativas e pioneiras na busca de fomento a novos e grandes empreendimentos. Possuo capacidade de articulação junto a grandes empresas, além de extensa rede de contatos pessoais.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>